Depressão Pós-Parto

Compartilhe

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin

O nascimento de um bebê tem sido associado a situações de estresse em algumas famílias, diante das mudanças nas rotinas diárias relativas à gravidez, ao parto e ao pós-parto.

A depressão pós-parto é uma condição que afeta 10% a 15% das mulheres no pós-parto. Este quadro tem seu início em algum momento durante o primeiro ano após o nascimento do bebê, havendo maior incidência entre a quarta e oitava semana.

Os principais fatores ligados ao desenvolvimento de depressão pós-parto são:

  • Depressão prévia;
  • Depressão pós-parto anterior;
  • Baixo suporte familiar;
  • Baixa escolaridade e nível sócio-econômico;
  • Não aceitação da gravidez;
  • Idade < 16 anos;
  • É comum a mãe apresentar comportamento melancólico por até 15 dias após o parto (conhecida como blues puerperal). Contudo, se esse comportamento for muito intenso e perdurar por um período mais longo, caracteriza-se como fator de risco.

A detecção precoce dos fatores de risco envolvidos na depressão pós-parto, realizada mediante o acompanhamento das gestantes, é um fator importante para a prevenção da própria depressão e das repercussões na interação mãe-filho. Com isto, abre-se a possibilidade de auxílio à mulher e à sua família, principalmente durante a gestação e o puerpério.