Doença de Alzheimer

Compartilhe

Share on twitter
Share on facebook
Share on linkedin

A demência pode ser o resultado de lesão vascular no cérebro, infecção, tumor, trauma, alterações tóxicas/metabólicas/psiquiátricas. Existem vários tipos de demência, sendo a doença de Alzheimer a causa mais comum, acometendo inicialmente a parte do cérebro que controla a memória, o raciocínio e a linguagem.

É mais freqüente a partir dos 65 anos de idade, sendo que até 25% dos idosos com mais de 85 anos têm este diagnóstico.

SINTOMAS

Estágio inicial: dificuldades para lembrar fatos recentes, desorientação de tempo e espaço, dificuldades para tomar decisões e de linguagem, perda de iniciativa e motivação.

Estágio Intermediário: com a progressão da doença, surgem dificuldades com as atividades do dia-a-dia e piora do esquecimento; dificuldade em administrar a casa ou negócios; alterações de humor e de comportamento como agitação, agressividade, delírios (acreditar que está sendo roubado, que é traído pelo cônjuge, etc.), ou apatia.

Estágio Avançado: a dependência se torna mais severa, os distúrbios de memória se acentuam e o aspecto físico da doença se torna mais aparente. O portador de Alzheimer pode não reconhecer familiares, ter dificuldade em entender o que acontece ao seu redor, dificuldade de locomoção, incontinência urinária e fecal, comportamentos inadequados em público, agressividade e agitação.

TRATAMENTO

Até o momento não existe um tratamento curativo para a Doença de Alzheimer. Algumas medicações específicas podem retardar a progressão da doença; outras podem ajudar a minimizar a freqüência e a gravidade dos distúrbios de humor e comportamento. É de grande importância melhorar a qualidade de vida do idoso e de seus cuidadores, oferecendo suporte profissional adequado e informações sobre a doença.